quinta-feira, março 27, 2008

Back to the track

1 .love.

Achei que num momento desses eu ia mais era querer cortar os pulsos. Cortei, mas de uma forma diferente. Amor foi o que gravei nele: sempre. No outro pulso virá a vida. Amor à vida, este é meu lema atual.
Não doeu nadinha. Meu tatuador, homem mais confiável impossível, me perguntou: “Nana, o amor dói?”. Tinha achado que não e desdenhei. Depois ele passou a tinta por cima. Ardeu pra burro, reclamei. Palavras do sábio Maurício: “O que dói não é o amor, mas passar por cima dele”. Éééé....!
A tatuagem tá linda e soltando as casquinhas. Como toda ferida de amor, leva um tempo pra cicatrizar.

2. Da separação à reparação

Todo mundo sabe: terminar um namoro é um porre. Primeiro tem a fase do inconformismo, que a gente reza pra passar logo. Tudo o que conseguimos fazer é abrir a boca de cair o queixo: “Ahn? Como assim?”. Depois vem a fase do conformismo e da raiva. A sede de vingança. Informações pipocam por todos os lados sobre o infeliz. Você fica sabendo dos podres. Por fim vem a aceitação: acabou e a vida continua. Mesmo assim a gente se corrói de lembranças. E um belo dia, tudo passa. Enquanto isso você retoma sua vida, seus amigos, suas viagens e seu amor-próprio. Retoma também os pretês do passado (a gente sabe: terminou, eles caem matando. É um pegapracapá). Você retoma também os amores antigos que te faziam tanta falta no dia-a-dia, e relembra como é bom tomar café com ele toda quinta (ou quase toda) ali do ladinho, às vezes rindo e às vezes chorando. Às vezes você lembra daquela desgraceira toda e respira aliviada: o mundo girou e você graças a Deus não está no mesmo lugar. E finalmente entende – a amplitude emocional do cara era de uma colher de chá. Você? Um poço sem fim.

3. Better now

A única coisa que eu não ando entendendo é por que raios algumas pessoas que eu nem sequer falava oi de repente estão desejando-me melhoras. Ou dizendo que não querem me ver assim. Assim? Amores, vocês não me viram 1 mês atrás.

4. Na beira do portão

Na onda do amor-próprio, finalmente me dei conta: não sou mulher de curtir às 5 da manhã, nem de dar beijinho na beira do portão. Ok, a carne é fraca, o diabo tenta e a gente gosta, mas não tô pronta. Desculpa, não tô. Tô mais pra ter orgasmos mentais do que propriamente sexuais. Minha cabeça tem sido meu principal órgão sexual, e me dói um pouco pensar em outras mãos me fazendo carinho. Ainda não me acostumei, me dá vontade de dizer ‘se liga, tenho dono’. Mas não tenho – pelo menos não uma terceira pessoa. A dona sou eu, o corpo é meu e vão ter que esperar. Se quiserem. Super okei, sou totalmente a favor do ‘bola pra frente que atrás vem gente’. Mas como diz um amigo meu... calma, mané. Pra que tanta pressa?

5. Luz pra cego... que piada!

A gente só vê aquilo que quer. Ignora os instintos e interpreta tudo na busca por resoluções mais coloridas e românticas. Como diz meu mais novo amigo Aruã (picareta pra caramba), o homem tem é que voltar a ser bicho. Parar de viver de ilusão. A vida é obscena de tão lúcida, já dizia a Senhora D. Concordo com ela: a maior das obscenidades é a hipocrisia. E ponto final.

6. E no balanço das coisas...

Eu ando melhor. Tô respirando melhor, comendo melhor, rindo melhor, vivendo bem mais. Não minto: tô ainda lá pelos 30%. Ainda dói. Ainda tô confusa com o rumo da minha vida. Pego minhas trouxas e vou de vez? Faço aquele curso? Aqueles bicos? Saio com aquela galera? Vou no forró, no sambarock ou no cinema? Como pizza ou guarda-chuvinhas de chocolate? Peço o tamanho M ou P? Vale a pena gastar tudo isso? Anel neste dedo ou naquele? Vejo comédia ou um documentário belga? Excluo do orkut? Bloqueio do msn? (que porra de tecnologia, não?) Café com açúcar ou adoçante? Cianureto ou arsênico? É tanta escolha na vida que eu nem sei o que escolher. Mas a vida é uma só, e eu escolho escolher tudo. Ao mesmo tempo. De uma vez só.

Eu sou o que sou. Me perdôo pelo meu passado, perdôo meu presente. Estou livre.

14 comentários:

Raphael disse...

Mais uma tatu, nanuxa?! Dadivoso poder fazê-la sem produzir uma quelóide, como já me alertou o dermato...

Bjs
Raphael

Flavia Melissa disse...

é isso aí.
o mundo gira, e gira rápido.
é só dar um pulo que, de repente, vc acorda no tibete!

amo e ponto.

Aruã disse...

Uau...
vc é... muito da hora!

E esse delírio não é esquisito !!
Instincts Rulez!!

Bejim!

F. Rossini disse...

Respira cat...
Vai domingo no forro, na segunda comer pizza, mes que vem no samba rock, daqui tres semanas no cinema...
Faz o curso!!
Aprender coisas novas é a melhor distração da mente que existe...
Welcome back

Ana disse...

É bom ressuscitar, depois, mergulhar até o talo outra vez em um novo amor...morrer, ressuscitar de novo...
A vida não é um ciclo?
Adorei Nana, faça tudo, tudo que tenha pra fazer...aproveite enquanto não tem descendentes diretos...
Beijo!

Fê Savino disse...

Linda..
Fico feliz por vc e pela nova "filhinha".. quero vê-la!
E vamo que vamo que o tempo não páaaaaaara! hehe
Saudade!
Bjocas...
Love ya!

thais_infante disse...

Vou falar poucas e boas:
Que bom!!!!que bom!!!que bom!!!
beijosss
Tha

marcelamarson disse...

É isso amiga! O primeiro passo você já deu , já engatou a segunda e assim vai, sempre em frente ... a vida inteira! "a vida inteira??" sim,sempre em frente! sem olhar pra trás. O que passou não pode ser mais concertado,mas o que tem por vir sim!
Pense sempre no hj , pois é no hj que contruiremos o amanhã!

Te amo Pacas e tenho dito!
Marcela Marson (Parcela)hehe

Zé Gota disse...

vejo que seu tatuador sairia um belo conselheiro amoroso, ou espiritual, ou o que quer que ele queira aconselhar...
e tens razão quanto a descoberta do lado obscuro do amado (ou amada) após o fim do namoro... a decepção é inevitável, mas sempre há outro porto onde nosso coração, que segundo humberto gessinger é um porta-aviões, possa descansar.
estamos fadado a viver em busca de decepções.
parabéns pelo texto...

Zé Gota disse...

fadados, sorry... hehe

C. Colicigno disse...

Vc acabou de descrever o que eu sinto nesse exato e instantâneo momento, por incrível que isso pareça. Acima de tudo, ainda acredito que o amor e o ódio podem sim, ser um sentimento só, apenas depende do momento e se o dia está ensolarado demais ou chuvoso demais.

Zé Gota disse...

ah, adorei o seu blog, vou adicioná-lo aos meus favoritos, posso?
hasta luego

Ick disse...

inveja.. quero ver depois ein. mas é isso tantas coisas fazen doer que a tinta dermocolocada fica sussa né. beijos

Fernanda S. disse...

Queridaaaaaaaaaa!
Mudei o endereço da minha Felicidade Clandestina:

http://felicidadesempreclandestina.blogspot.com/

Beijos =)