quinta-feira, maio 08, 2008

Resgate em versos

Ao resgate insano minha vida leva
O sonho morto de teu desencanto
No homem impuro em que se fez o pranto
Uma história de amor se encerra

A nobre luta pela paz levanta
Bandeira branca que de luz se ofusca
Do sangue vivo em que se fez a busca
Sobra orgulho desta guerra santa

Da lua clara que no céu desmonta
Nasce a honra que a mim foi dada
E em minha alma o calor desponta

Pois se foi justa a batalha travada
E dela tenho-me em alta conta
Do doido acaso sairei curada

3 comentários:

F. Rossini disse...

Que venha a harmonia!!
Cheers!

Zé Gota disse...

cara, muito bom... tenho maior inveja de quem consegue fazer poesia, minha maior frustração é nunca ter escrito um soneto descente...
bjo

Apple of the Eyes disse...

amiiiga
curada, renovada e feliz!!!
e que venham todas as artes
to adorando nana-poetisa

bj no coraçãoo