quinta-feira, setembro 13, 2007

Encaixotando



Você achava o que?

Que eu ia chorar mais do que um dia?
Que iria espernear te pedindo de volta?
Que ia passar meus dias pensando no quanto poderia ter sido feliz do seu lado?

Minha concepção de felicidade se tornou outra, nem de longe passa perto do que vivemos juntos (juntos? Ou vivi sozinha?).

Você esperava o que?

Que pedisse pra você ficar?
Que jogasse na sua cara minhas qualidades, pra me comparar com ela?
Que explicasse pra você o quanto de mentira seu discurso continha?

Você pode descobri-las sozinho, minha idéia de mentira se tornou outra - essa sim se aproxima de tudo que vivemos um dia (vivemos? Ou será que eu sobrevivi?).

Você achava que ia ver o que?

Eu andando de um lado pro outro procurando por você?
Te esperando no estacionamento?
Rondando a porta do seu trabalho?

Seu trabalho ganhou outras formas perante meus olhos, finalmente percebi a razão de sua escolha profissional: chegar perto, mas não muito. O profundo traz risco demais (risco? Afinal, do que estávamos mesmo falando??).

E agora? Vai fazer o que?

Dizer que ainda não sabe o que fazer?

Dar uma de bom moço?
Sambar pra inglês ver?
Ser diplomático?
Ou simpático?
Ser político?
Ridículo?
Pedir desculpas de novo?
Ou mais um monte de mentiras?

A pena maior não foi não ter dado certo. Mas eu não ter achado que valia muito à pena te dizer tudo isso.

Eu fiz a minha escolha.

E você?
Quando vai assumir a sua?

4 comentários:

Marson disse...

Essa foi ótima!
Aquele bom e velho tapa com luva de pelica , aquele que dói na alma...

Fê Savino disse...

Sempre muito boa e eloquente, né, Nana?!?! É isso aí... a gente tem mesmo que fazer escolhas na vida, fazer o que?!
Saudadinhaaaa...
Bjinhossss

Cristina disse...

Fez-me bem ler o que escreveste! Nem sabes o quanto me identifiquei! Bjs

Flavia Melissa disse...

hein?
perdi alguma coisa?