terça-feira, agosto 18, 2009

ansiedade, feminino e aula experimental


Quando cheguei no estúdio da Elis Pinheiro, por volta das 17h20, meu coração estava praticamente saindo pela boca. Já tinha trocado SMS com a Luli, já tinha praticado a respiração diafragmática, já tinha descatastrofizado o pensamento, mas nada tinha adiantado: eu ia ter minha primeira aula de Dança do Ventre e estava mega ansiosa!

Mil coisas passaram na minha cabeça: desde a minha dificuldade em interagir em ambientes novos até mesmo como minha barriga pareceria na hora que eu a balançasse pra lá e pra cá. E vamos combinar: imaginar nosso abdômen se curvando como uma minhoca não produz nenhum efeito relaxante...

Eu cheguei lá e a primeira impressão foi ótima, desde o jeitinho do estúdio até mesmo a simpatia da recepcionista Natália, com a qual eu vinha trocando emails quase que diários. E quando eu conheci a professora Layla tratei de relaxar geral: aquela tampinha de 1,50m, toda tatuada, com um cabelo vermelho na bunda não poderia ser assim tão aterrorizante!

As surpresas só foram aumentando: a Layla é uma fofa e por causa da chuva que caiu bem às 5 da tarde, a aluna que estava programada pra ir junto ficou presa no trânsito, o que significou que eu tive a Layla só pra mim durante 1 hora e meia. Simplesmente TUDO o que uma pessoa tímida, ansiosa e paranóica como eu poderia querer. Valeu, Universo!

Os movimentos são difíceis, mas graças a Deus, alguns não tão difíceis quanto outros. A professora teve toda a paciência do mundo e, no final da aula, até que me elogiou. Segundo ela, eu já tenho “consciência corporal”. Hm. Pelo menos a corporal eu tenho! Eeee!

Fazer os “oitos” com os quadris foi difícil, mas no final da aula eu já não me sentia tão patética. Não posso negar que em alguns momentos, queria sumir dali. Sair correndo gritando, dando socos no ar, que é algo bem mais fácil e que eu já sei fazer. Mas como eu vinha refletindo por aqui, se não fosse tão difícil exercitar meu feminino, também não seria tão necessário. E lembrar disso, de que só estava sendo FODA porque realmente precisava ser praticado, foi o que me sustentou ali durante aquela aula.

Resumo da ópera: AMEI! Semana que vem vou fazer mais uma aula experimental, com outra professora e num outro horário. Aí decido e começo de verdade! O Projeto Mulherzinha 2009 está com tudo! Com direito a lombar dolorida, Amr Diab no som do carro e mensagens de texto românticas sendo salvas no chip do celular!

Salamalleykum!

5 comentários:

Rachel disse...

Yoga e Pilates podem te ajudar nos movimentos mais difíceis. Fortalecem os músculos, aumentam a flexibilidade e ainda relaxam. ;)

Edilson disse...

Eu acho que essa coisa de "situação nova" sempre causa uma certa ansiedade, e outros sentimentos "aflitivos", justamente pela novidade apresentada (ou desafio), o tempo é quem trata de apagar esse tipo de sensação, já que se tornará uma prática cotidiana; sei que tão logo essa nova "empreitada" será executada maestria por voce.

Luli disse...

Sana Helua, ya helwi!!!

N. Ferreira disse...

Rachel, bem-vinda! De fato ontem eu usei um pouco das minhas antigas aulas de Yoga, principalmente no alinhamento da coluna e encaixe do quadril!

Ed, eu concordo com vc. Tudo o que é novo desperta ansiedade; o novo que tem a ver com uma questão foda desperta mais ansiedade ainda! Tb acho que o tempo há de dar conta deste recado e transformar o ansiógeno em algo gostoso, leve e divertido!

Luli, WHAT A FUCK??

Luli disse...

Parabéns, minha amiga.... that's it :)